A Turmalina Paraíba é a pedra mais rara do mundo, tendo um valor maior que o próprio diamante. Ela foi descoberta na década de 1980 em São José da Batalha, no interior do estado da Paraíba, de onde ela recebeu o nome. Quando ela apareceu, houve dúvidas sobre se era uma pedra real ou uma falsificação, pois os mineradores da região só tinham o conhecimento da turmalina verde, que é bastante comum no Brasil, e a gema encontrada era de um azul intenso e brilhante. Assim, para tirar a dúvida, a pedra foi enviada para o Instituto de Gemologia da América, nos Estados Unidos, o maior laboratório de pedras do mundo. O resultado foi inesperado: uma pedra nunca vista antes.

O azul neon da turmalina se dá devido à sua composição química, que contém o cobre, já que as outras turmalinas não apresentam esse componente químico. A pedra fez muito sucesso na indústria de jóias e o fascínio do público por ela aumentou graças as azul ser uma cor que remete à água, ao céu e passa uma sensação de tranquilidade, sendo considerada uma cor que se aproxima do ser humano.

Na medicina holística, a cor azul atua como calmante, além de agir sobre o cansaço e o estresse mental. Já para outros, o azul é uma cor que renova as forças, anima o estado de espírito e ajuda na comunicação, sensibilidade e criatividade.

A produção da turmalina paraíba é escassa, visto que é encontrada em apenas cinco minas ao redor do mundo: três delas no Brasil (duas na Paraíba e uma no Rio Grande do Norte), de onde saem os exemplares mais valiosos, e duas na África. No entanto, são produzidos somente 20 mil quilates por ano, contra 480 milhões dos diamantes. Dessa forma, a turmalina da paraíba torna-se a gema mais difícil de se encontrar e a Brazil Paraiba Mine tem o prazer de contribuir para os estudos desses minerais.